Projeto Horta na Escola abre programação do mês do meio ambiente na Ambiental Metrosul

Postado por aegea-ppp em 01/jun/2022 - Sem Comentários

A iniciativa consiste na doação de kits contendo sementes para que escolas da rede pública de ensino dos municípios atendidos pela empresa cultivem hortas em seus espaços. O objetivo é o de estimular, por meio de atividade lúdica entre professores e alunos, a reflexão sobre sustentabilidade e preservação ambiental. O Horta na Escola é a primeira de uma série de ações programadas pela Metrosul durante junho, mês em que se comemora o Dia Internacional do Meio Ambiente. Com o projeto, a Ambiental Metrosul também quer motivar novos multiplicadores de boas práticas, fazendo com que os exemplos e aprendizados adquiridos em sala de aula sejam levados para a comunidade, podendo ser replicados entre familiares e amigos.

Sementes de tomate cereja, salsa lisa, pimenta-biquinho, mix de folhas, manjericão roxo, alecrim, hortelã e orégano, além de orientações de plantio e informações sobre como fazer compostagem com o lixo orgânico produzido pelos alunos na escola compõem o pacote. Dessa forma, podem ser trabalhados conteúdos sobre ciclos sustentáveis, cuidados com o planeta, separação do lixo, tempo de decomposição de cada objeto descartado, além de disponibilizar temperos para a comunidade escolar.

Os kits estarão disponíveis a partir desta quarta-feira, dia 1º, e as escolas que tiverem interesse em participar do projeto devem encaminhar um ofício solicitando as sementes até o dia 27/06 para o e-mail comunicacao.metrosul@ambientalmetrosul.com.br. Ainda, durante todo o mês, as escolas participantes devem enviar o registro das atividades desenvolvidas com os alunos para a elaboração de um documento final com os resultados do projeto.

Ambiental Metrosul desenvolve projeto piloto para uso do lodo em compostagem

Postado por aegea-ppp em 15/mar/2021 - Sem Comentários

A iniciativa está sendo implementada na ETE Mato Grande, em Canoas, e tem como objetivo viabilizar o aproveitamento do lodo de esgoto como insumo orgânico para utilização agrícola. Originado no processo de decantação durante o tratamento do efluente e rico em nutrientes, o uso do lodo na compostagem é uma alternativa ambientalmente sustentável uma vez que grande parte das cerca de 500 toneladas do resíduo geradas mensalmente nas estações de tratamento operadas pela Ambiental Metrosul na Região Metropolitana de Porto Alegre tem como destino o aterro sanitário.

O método de compostagem utilizado pela empresa é o de “leiras”, faixas de terra dispostas sobre uma base de lona para o isolamento do solo, onde é depositada uma mistura do lodo em estado semissólido (ideal para o processo) e serragem (que pode ser substituída por resto de podas de árvores). Assim como o calor e a umidade, a temperatura interna da leira é outro aspecto muito importante, sendo que essa deve atingir 55 graus celsius para garantir da eficiência do processo e eliminação total de patogênicos que ainda restaram no resíduo após o tratamento. Dessa forma, são mantidos os principais nutrientes como fósforo e nitrogênio, transformando o composto em um fertilizante seguro para utilização em plantações.

“Comparada à alternativa convencional, com uso do aterro sanitário para o descarte, o reaproveitamento do lodo em compostagem além de econômica é também muito benéfica ao meio ambiente, pois daremos uma destinação mais limpa ao resíduo”, salienta o Gerente de Operações da Ambiental Metrosul, Fernando Rettore. O protótipo terá um período de maturação de aproximadamente seis meses e, após, a ideia é firmar parcerias com empreendedores para a testagem do composto em plantações. Ainda, segundo o Gerente, os resultados e análises do piloto vão embasar novos estudos para ampliação do projeto. “Nossa expectativa é de que, futuramente, a ETE se torne um centro de compostagem da empresa, com aproveitamento de 100% do lodo gerado na estação”, destaca Rettore.

A compostagem está sendo monitorada rotineiramente por especialistas, e os procedimentos são informados aos órgãos competentes a fim de garantir a segurança e qualidade da operação, bem como o atendimento à legislação ambiental vigente. Na última sexta-feira (12), técnicos da Secretaria do Meio Ambiente da prefeitura de Canoas estiveram na estação de tratamento Mato Grande para conhecer o projeto e acompanhar a operação da compostagem do lodo nas leiras.

Com a ampliação da cobertura do tratamento de esgoto em nove municípios da RMPA em mais de 87% nos próximos 11 anos, a quantidade de lodo gerado nas estações aumentará gradativamente. Pensando nisso, a Ambiental Metrosul pretende promover ainda este ano, junto ao meio acadêmico, novos projetos que estimulem o desenvolvimento de pesquisas e iniciativas para reaproveitamento do resíduo.